quarta-feira, 20 de abril de 2011

Quando o método é esquecer o método

Em entrevista concedida em fevereiro deste ano, Fernando Meirelles mencionou a importância dos atores para um trabalho como "360", seu novo filme:
É um filme para atores e eu adoro vê-los e fazê-los trabalhar.  Quando há papéis onde os personagens estão cercados por ação ou dentro de uma trama cabulosa, é mais fácil enganar. Neste caso,  um filme sobre pequenas nuances dos nossos sentimentos, acho que dependo muito mais de performances brilhantes, disse na ocasião.
- Dirigir este filme não será muito diferente de dirigir um táxi,  já  percebi. A cada dia embarca  um novo passageiro com um destino diferente.
Segunda-feira foi a vez do ator alemão Moritz Bleibtreu entrar no barco. Tenho enorme interesse em saber qual estrada cada ator pega para entregar sua encomenda. Gosto do assunto não só para saber como tocá-los, mas também pelo prazer de observar quão maleável e flexível pode ser a mente humana.
Caminhos absolutamente opostos podem levar a um mesmo lugar. Apesar de ter um passado selvagem, Moritz é alemão e tem método, mas não o Method - este ele desconsidera. Seu caminho é outro: primeiro procura ter cada palavra dos seus diálogos completamente decorada a ponto de não precisar pensar nelas na hora em que a câmera estiver rodando. No set gasta um tempo prestando atenção e estudando cada movimento que fará, garantindo ao montador a possibilidade de cortá-lo em qualquer sílaba sem risco de ter um garfo ainda na boca ou uma virada de cabeça que não estará no take seguinte. Como uma  máquina bem regulada, com tudo que ele precisa dizer ou fazer no piloto automático, ele pode esquecer sua própria atuação, prestar atenção no que o ator com quem está contracenando está dizendo e, assim,  viver a experiência que está escrita no roteiro. De fato, nós não pensamos em nossas expressões, entonação ou sentimentos ao falar e interagir. É esse desprendimento que ele busca ao tentar automatizar e assim poder esquecer o que tem que fazer.
Getty Images

Essa maneira de se construir um personagem, de fora para dentro, pode soar antiga. Foi justamente em contraposição a essa maneira de atuar que Stanislavsky, nos anos 1930, desenvolveu seu sistema, que acabou sendo reestruturado por Lee Strasberg no Actors Studio, onde ganhou o nome de Method Acting. Dei muita risada ao ouvir o Moritz falar do Method que, para ele, é mais uma obsessão norte-americana em dar nomes às coisas e de criar um marketing, do que algo que ajude os atores a interpretar de fato.  'Para quê eu preciso saber quem é a avó do personagem se ele está apenas num jantar de trabalho?'
Moritz trabalhou com bons atores que usam o Method e disse que nunca se sentiu tão sozinho em cena.  Esses atores, diz, passam tanto tempo  focados em buscar suas memórias afetivas, a inventar uma história  pregressa para seus personagens, a tentar se transformar no  personagem que simplesmente se fecham naquele mundo e esquecem que existem outros atores em cena e uma história para ser contada. Na câmera, diz, a coisa funciona, mas para o ator que está ali contracenando é como se não  houvesse ninguém do outro lado, é como contracenar com um autista de onde não vem nada. Ele mesmo passou um tempo em Nova York aprendendo a trabalhar por este caminho, mas não se adaptou e abandonou o curso.
Fora o prazer de ouvir esta provocação, sempre achei que o difícil  numa atuação não é falar mas sim saber escutar o outro, pegar o que veio e devolver com alguma coisa a mais e assim ir construindo a  cena,levando-a para lugares onde só ali, com a câmera rodando,  é possível descobrir. Para uma cena ficar boa, ela precisa que todos os  envolvidos estejam atentos e sensíveis para deixar que cozinhe um pouco no calor daquele momento entre o ação e o corta.  É ali que brotam os sabores.   Se eu fosse norte americano  eu criaria um método chamado  "Cooking  Acting" e ficaria rico.

 Por não estar filmando em  sua própria língua essas mudanças se tornam mais difíceis, imagino.  De qualquer maneira, no final da cena, que é também o final do filme, Moritz entregou uma performance tão simples mas tão extraordinária que minha insegurança em relação àquele final se evaporou. Em silêncio, apenas com os olhos, o alemão colocou um ponto final em '360', como se me entregasse um presente.  Esta eu vou ficar devendo.


Leia a entrevista inteira no UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Stats

Stat